8 de julho de 2024

|

Por: Apelmat

|

Tags: obras

|

Categorias: destaques, Obras

Linha 17-Ouro do metrô de SP recebe primeiro trem

As obras brutas da linha 17-Ouro, do metrô de São Paulo, estão previstas para serem finalizadas em 2025. Se o cronograma for cumprido, o aeroporto de Congonhas deverá ser interligado ao sistema de transporte metropolitano da cidade em 2026. Um passo importante foi dado no final de junho, com chegada do primeiro trem que fará parte da frota da linha.

O equipamento faz parte de um lote de 14 unidades encomendadas pelo Metrô junto à BYD. A segunda unidade, em fabricação na China, chegará ao Brasil ainda este ano e os demais serão entregues ao longo de 2025, de acordo com o cronograma estabelecido.

Os trens vão se movimentar no monotrilho sobre vigas de concreto de 800 mm de largura e possui dois truques por carro, sendo cada um equipado com um motor de tração, duas rodas de carga, quatro rodas guia e duas rodas estabilizadoras. O monotrilho opera com uma tensão nominal de 750 Vcc, com velocidade operacional de 80 km/h.

Leia também:

Metrô prevê começar obras em Guarulhos em 2025

Equipado com baterias de tração, que funcionam como fonte de energia reserva para o veículo, o monotrilho terá a garantia de que o trem chegue à próxima estação, mesmo que haja interrupção no fornecimento de energia, proporcionando uma segurança maior para o usuário em caso de emergência operacional.

Em relação à obra, o Metrô concluiu o lançamento de vigas, por içamento, da via de operação comercial, e há atividades de fabricação das vigas do Pátio Água Espraiada, além da montagem dos aparelhos de mudança de via neste local. Também são feitos os acabamentos e ajustes das estações, além da fabricação de estruturas metálicas, passarelas e esquadrias para fechamento. 

Em paralelo, ocorrem as atividades para a instalação de sistemas, com a colocação de dutos e cabeamento de alimentação elétrica, assim como o uso de um carrinho que percorre as vias para a instalação dos trilhos de captação de energia, além de trabalhos na China, como a fabricação de portas de plataforma e subestação primária isolada a gás; na Alemanha, Hungria e Espanha – para a fabricação de seccionadoras de energia, grupos retificadores, máquina de lavar trens e outros equipamentos.