Apelmat

Associação Paulista dos Empreiteiros e Locadores de Máquinas de Terraplenagem, Ar Comprimido, Hidráulico e Equipamentos de Construção Civil.

Endereço: Rua Martinho de Campos, 410 - Vila Anastácio - São Paulo - SP - 05093-050

Telefone: (11) 3722-5022

Whatsapp: (11) 9-3339-8386

Redes Sociais

Assine nossa newsletter

Copyright 2020 | Apelmat

Planejamento de infraestrutura deve incluir o setor privado


Empresas podem suprir a escassez de recursos financeiros dos governos em favor da população

Responsável por um dos mais completos diagnósticos da área, o estudo Projeções para a Infraestrutura de Logística de Transportes no Brasil, comandado pela Fundação Dom Cabral (FDC), valida um pedido que vem sendo feito há décadas por investidores, economistas e outros especialistas.


O documento recomenda que o País invista em infraestrutura por meio de projetos de longo prazo e insira as rodovias, as ferrovias, os portos e os aeroportos na agenda do Estado, e não dos governos. O professor Paulo Resende, um dos coordenadores da pesquisa, aponta também que a política de planejamento nacional deve cuidar do presente, tendo em vista os investimentos insuficientes que foram feitos dos últimos anos.


Para o consultor de economia Raul Velloso, o gargalo financeiro dos governos poderia ser suprido pelo setor privado. “Com estudos e planejamento, o governo poderia identificar as vias com potencial para atrair a atenção das empresas”, diz o especialista em infraestrutura.


O presidente da Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias (ABCR), Cesar Borges, afirma que os empresários têm interesse em assumir novos projetos e reconhece a necessidade de executá-los com rapidez, mas contesta a burocracia dos processos.


“O senso de urgência esbarra na dispersão do planejamento do governo federal. Trata-se de uma visão muito legalista de que só os órgãos de controle têm razão. Até que tudo seja aprovado, perde-se muito tempo. Em consequência, enquanto as obras não saem do papel, há perda de vidas humanas e outros danos econômicos”, diz.


Postado em 07/11/2018

Em Destaque