27 de julho de 2021

|

Por: santelmo

|

Categorias: Sem categoria

Obras de terraplenagem requerem estudo detalhado

Antes de você decidir qual a quantidade e os tipos de equipamentos que serão utilizados em uma obra de terraplenagem, aqui vai uma dica: calcule primeiro a demanda de escavação a ser gerada com a remoção de material no aterro. Ela estipulará a produção das frentes de trabalho e vai oferecer todos os elementos necessários para planejar a frota a ser empregada.

Ao desenvolver o planejamento, você precisa estabelecer, ainda, o tempo de ida e volta percorrido pelos caminhões, do momento em que são carregados pela escavadeira até o bota fora. Na operação e aplicação de escavadeira, é necessário observar que o tamanho da máquina e a capacidade do caminhão sejam condizentes com os índices de produção. O ideal é que a escavadeira encha a caçamba do veículo com quatro ou seis caçambadas.

Para se alcançar um padrão elevado de produtividade, é necessário planejar uma logística para evitar filas de carregamento de caminhões. Um veículo que gasta 2 minutos para manobrar, ser carregado e sair, ao se retirar fecha o ciclo de trabalho da escavadeira, neste caso calculado em 120 segundos.

Se levar 10 minutos para se deslocar até o ponto de descarregamento, bascular o material e retornar, gasta mais 600 segundos, somando-se ao todo um tempo de 720 segundos. Se você quer saber a quantidade ideal de caminhões para evitar filas na praça de carregamento, a conta é simples: basta somar o tempo do ciclo de carregamento da escavadeira ao tempo de deslocamento do caminhão e dividir pelo tempo de ciclo de carregamento. No exemplo citado acima, basta dividir 720 por 120. Portanto, são necessários seis caminhões.

Evite filas de caminhões

Paulo Alcaide, diretor da Seixo Terraplanagem e Construções e vice-presidente da APELMAT, adverte que filas de caminhões parados por falta de máquinas para o carregamento geram prejuízos. “Assim como não se deve exagerar na quantidade de equipamentos de carregamento, para não gerar custos extras e risco de prejuízo”.

Caso o material escavado seja aproveitado dentro da própria obra, em projetos de corte com aterro compensado, é feito o transporte, espalhamento e compactação desse solo e topografia final. Se o local onde a obra acontece for silt, por exemplo, para ser feita uma compactação será necessário fazer um ‘empréstimo’ de argila ou outro material que melhore o confinamento do terreno. “Tudo depende do projeto, do aterro e suas configurações, alturas, proteções laterais, entre outros aspectos. Existem diferentes alternativas técnicas”, salienta Paulo.

José Antonio Spinassé, diretor da Luna Locações e Transportes, acrescenta que diferentes aspectos logísticos precisam ser considerados no projeto de uma obra de terraplenagem, incluindo localização, itinerário a ser percorrido pelos caminhões, abastecimento, garagem de estacionamento, alojamento para as equipes de trabalho. “É preciso pensar, inclusive, nos deslocamentos das pessoas para acessar a obra, e nos horários e zonas de restrição de circulação de veículos, para evitar multas”, enfatiza.

Na sequência, são avaliadas questões relacionadas à documentação, licenças ambientais para a execução do trabalho junto aos órgãos competentes e verificar se o alvará de execução foi obtido pela empresa contratante. Esse cuidado é fundamental, porque uma vez que você coloca seus equipamentos para trabalhar, se essas licenças não tiverem sido obtidas pelo contratante e houver fiscalização, a obra pode ser embargada e a frota paralisada.

No memorial descritivo, você poderá observar todas as diretrizes operacionais do trabalho e o prazo estabelecido para todas as etapas. Esse documento tem todo o traçado das fases e funciona de maneira similar a um projeto executivo. “O empresário de terraplenagem deve analisar a parte que lhe cabe nesse memorial, averiguar suas necessidades e seguir as especificações do projeto, para não prejudicar o andamento e o cronograma da obra”, observa Spinassé.

Investigações geotécnicas

Os estudos preliminares do solo e as investigações geotécnicas também são essenciais na etapa que antecede a obra. Wanderley Cursino Correia, diretor da Rentalmais, adverte que precisam ser feitas sondagens e ensaios sobre o tipo de material a ser trabalhado na terraplenagem, além de um estudo da topografia do terreno, para evitar problemas na escavação e despesas extras.

“Essas medidas são necessárias para evitar surpresas, como encontrar rochas de diferentes tipos e tamanhos durante o trabalho. Embora as escavações cheguem à cota topográfica que o projeto exige, dependendo da rocha pode haver impedimento”, explica o diretor da Rentalmais. Contudo, o empreiteiro pode especificar em contrato que, caso haja ocorrência de rochas nas escavações, o preço não estará englobado e deverá ser feito um adendo relacionado ao tipo de exploração, como desmonte de rocha.

Nos trabalhos de terraplenagem, os tratores de esteira são os primeiros a entrar na obra, para remover vegetação e fazer a limpeza. Na sequência, é realizada a demarcação e os gabaritos, com as cotas a serem obedecidas com base nas especificações de topografia. A partir daí começa o trabalho de corte, carregamento e transporte do terreno escavado.

Após isso, entram as motoniveladoras e rolos compactadores, para nivelar e compactar o subleito da obra. As escavadeiras hidráulicas e retroescavadeiras são necessárias para escavação, execução de taludes, drenagens etc. Os caminhões basculantes são utilizados para o manejo do solo e os caminhões pipas para manter a umidade do terreno e fazer o controle da poeira da obra.  Esses equipamentos são dimensionados conforme a demanda de produção, capacidade de escavação e carga, pesos operacionais, largura de corte, entre outras situações específicas do projeto. De acordo com o serviço, pode ser utilizada uma máquina maior ou mais compacta, a depender do grau de dificuldade da obra.

Vários fatores externos podem interferir no andamento de uma obra de terraplenagem, muitos deles imprevisíveis. Paulo Alcaide, da Seixo, alerta que é necessário mapear todas as atividades e custos envolvidos durante a execução da obra. “Estamos falando de uma atividade que depende muito do clima, portanto, um item importante a ser considerado. Quando se tem total conhecimento de todas as etapas, pode se estabelecer um diferencial entre lucro e prejuízo, ainda mais em tempos de alta competitividade e preços reduzidos”, diz Paulo.

Nesse sentido, é preciso planejar todas as fases da obra, de maneira a aproveitar as condições meteorológicas favoráveis. “Evitar coincidir a etapa de aterros e compactações com a época mais provável de chuvas é uma boa saída. Nesse período, a dica é realizar outros serviços, como limpeza da vegetação ou outras tarefas que não sejam tão afetadas pelo clima”, explica Paulo.